quinta-feira, 24 de março de 2011

Nós gostamos de morar na Taquara.


Nós gostamos de morar na Taquara! Porque que? A Taquara é um bairro isolado dos seus bairros vizinhos, é bordada de montanhas verdes, e esse isolamento faz com que o taquarense se relacione mais, faz com que todos se conheçam mesmo que só de vista, temos a oportunidade de nos vermos quase todos os dias, pois visitamos a mesma padaria, a mesma farmácia, a mesma praça. Com esse relacionamento quase que diário, fazemos grandes amizades e nos tornamos uma grande família, com os nossos sentimentos na Taquara. Por isso que quando viajamos ou estamos em um outro lugar, como estar em uma outra praça, por exemplo, voce se sente meio acanhado onde tudo é diferente, é bom, mas é diferente de estar na Taquara, onde voce se sente totalmente a vontade, quando o carro atravessa a ponte, voce já respira o ar fresco da Taquara e já se sente melhor, já se sente em casa realmente. “Falo isso não só porque sinto, mas por já ter ouvido muitos moradores da Taquara dizerem o mesmo.” Este relacionamento bonito e despreocupado que acontece na Taquara, raramente acontece em outros lugares, como na cidade onde as pessoas vivem com o medo em primeiro plano, tem medo até do próprio vizinho que não vê a muito tempo. O relacionamento é natural do ser humano, gostamos de nos relacionar uns com os outros, e quando isso não acontece ficamos estressados. Por isso gostamos da Taquara, que tem sim seus problemas, mas nós devemos brigar pelos nossos direitos e fazer a nossa parte, o lixo tambem é estressante e não é vergonha tirar, é feio caminhar sobre ele e é mais feio ainda joga-lo no chão, como se o lugar inteiro fosse uma imensa lixeira. Então a limpeza do lugar, tem que ser feita pelos moradores, se tem qualquer tipo de lixo no chão, a culpa é dos moradores, se tiver tudo limpo, a culpa tambem é dos moradores. Manter a cidade limpa é simples, pois é uma questão de educação. Se fizermos de nós mesmos, moradores educados, seremos organizados e vamos gostar ainda mais da Taquara, aí só nos resta nos unirmos e reclamarmos os nossos direitos.

   Somos o que repetidamente fazemos.( Aristóteles )